Atelier Dani Henning – Onde a arte acontece

6 de outubro é dia de ATELIER ABERTO!

Atelier Aberto – É um evento de um dia proposto pela artista Dani Henning, em que público tem a oportunidade de conhecer de perto o ambiente de trabalho de um artista. É o maravilhoso momento de interação com a arte e seu criador. “Conhecer o artista e seu processo, ver seus materiais e apreciar obras, é uma oportunidade ímpar aos admiradores de arte. É quando têm a chance de chegar mais perto da produção artística”, revela Henning.

Panorâmica 1

Essa data, escolhida pela autora para enaltecer a primavera, acontece apenas uma vez ao ano. O visitante pode ver preciosidades, tais como, desenhos, esculturas, impressos digitais, pinturas e objetos. O evento ainda conta com as presenças da escultora Vera Peres, com belas esculturas de bronze e outros materiais, e o autor Levis Litz, que publicou vários livros, para uma sessão de autógrafos. Aos presentes ainda será ofertada uma prática light, on demand, de Tai Chi Livre (arte em movimento). Com tanta coisa boa, vale a pena conferir!

Daniele Henning – Nasceu em Rio Negro, PR, e vive em Curitiba desde 1983 onde formou-se em Educação Artística com Habilitação em Artes Plásticas pela UFPR em 1987. Realizou cenários para teatro e televisão e atua a mais de 15 anos como pintora, participando de exposições coletivas e individuais. Seus trabalhos estão presentes em galerias no Brasil e em acervos particulares na Argentina, França, Itália, Estados Unidos e Canadá.

Serviço

Evento: Atelier Aberto – Atelier Dani Henning
Programa: Mostra de arte e sessão de autógrafo
Data: 6 de outubro (sábado), das 14h00 às 19h00.
Local: Rua Sain’t Hilaire, 822 – Sala 11 – Água Verde – Curitiba – Paraná
Contato: danihenning@outlook.com.br – Tel: (41) 99985-4846

Apoio
O Forneiro – Produtor de pão
41 3532 5047 – Av. Getúlio Vargas, 2564
Instagram.com/oforneiro


Curitiba – onde a capivara tem vez

Capivaras – muitas delas – convivem com visitantes do Parque Barigui . Esse animal (fofo, alguns diriam – risos) se tornou uma marca do município e agora que a moda pegou, elas estão dando um passeio por aí pelos cantos da cidade .

Um grupo, feitas de fibra de vidro – há oito delas medindo 1 metro de altura por 1,5 de largura – podem ser vistas soltas em vários espaços. A inspiração veio do tradicional “Cow Parade”.

Então – preste atenção! Pode ser que você acabe cruzando com alguma delas.

Captura de Tela 2016-06-02 às 10.10.59

Espaço Zen – Atelier Dani Henning – Grupo Tai Chi Curitiba

A capivara da foto foi pintada pela renomada artista plástica Dani Henning em seu Atelier – que também é um espaço Zen para a prática do Tai Chi Chuan. No entorno do animal estão praticantes dessa arte.


Uma surpresa ao visitar uma exposição no Colégio Medianeira

Esta semana, em visita a uma exposição ao Colégio Medianeira no Espaço Padre Raimundo Kroth, S.J., foi uma agradável surpresa ver o meu nome no painel de abertura.

A razão foi por eu ter sido coautor do livro dos 50 anos do Colégio.

Que legal, meu agradecimentos!

Medianeira Painel

Captura de Tela 2015-11-07 às 08.39.03


Rituais indígenas e a construção do corpo

Que tal você ter boas relações?

Amigos, alunos, professores, colegas de profissão, enfim – que coisa boa, para eles e para você.

Recebi um convite de uma aluna de Tai Chi Chuan para visitar a exposição “Rituais indígenas e a construção do corpo” no Museu Paranaense.

Fiquei agradavelmente surpreso com o que vi lá. Muito bem organizado, espaço amplo e bem cuidado. Nota-se o empenho e o carinho com que tratam esse importante espaço cultural.

Aproveito para parabenizar a equipe do Museu Paranaense.

Recomendo a visita.

Maiores informações:
http://www.museuparanaense.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=200 

Rituais indigenas

O Museu Paranaense, desde sua fundação, em 1876, vem reunindo um importante acervo etnográfico e imagético representativo de diversos povos indígenas do Brasil e da América do Sul. Nesta mostra “Rituais indígenas e a construção do corpo” foram selecionados alguns objetos das coleções Tikuna, Karajá e Kayapó, como plumária e máscaras, que, juntamente com a pintura corporal, estão presentes na decoração e transformação dos corpos dos índios durante os elaborados rituais de passagem.