O Portal “Fotos e Rumos” está em festa!

17 anos de existência!

Fotos e Rumos surgiu assim…

…da vontade de compartilhar histórias de viagens e fotografias.

Seu dia: 27 de julho – uma data, uma escolha, uma ideia, uma realização. Foi no ano 2000.

Rolou no Espaço de Eventos do Shopping Crystal em Curitiba. Foi lindo, foi bacana!

Apoio da InfoMatrix  (http://www.infomatrix.com.br) e seus funcionários altamente capacitados e muitos computadores de última geração.

O momento contou com a presença de amigos e colegas – fotógrafos, jornalistas, empresários, viajantes, mochileiros, artistas, músicos, cineastas… cerca de 200 pessoas – pequenos universos, com grandes valores – nos prestigiaram.

Houve muita integração e entretenimento. Teve vinho e acompanhamentos – brindes, canecas e camisetas… um “somzinho” legal tocou trilhas de filmes… e… entre taças e sorrisos… houve muitas fotos e muitos rumos… para muitos olhos…

Registro aqui a minha Gratidão!

Levis Litz
Fotos e Rumos
http://www.FotoseRumos.com

Curiosidade: a logo do Fotos foi inspirada numa fotografia que tirei de um filhote de lobo marinho em Cabo Polonio, Uruguai.

Anúncios

Jornalista – Testemunha ocular da história

Dia 7 de abril – Dia do Jornalista

Este profissional para muitos é testemunha ocular da história, para outros é um narrador do seu tempo. Parabéns pelo seu dia!

Porque o jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não sofreu essa servidão que se alimenta dos imprevistos da vida, não pode imaginá-la. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte.”Gabriel García Márquez

————————————————————–
jornalismo

substantivo masculino
  1. 1. 
    jor atividade profissional que visa coletar, investigar, analisar e transmitir periodicamente ao grande público, ou a segmentos dele, informações da atualidade, utilizando veículos de comunicação (jornal, revista, rádio, televisão etc.) para difundi-las.
    ———————————————————-

    O jornalismo é, antes de tudo e sobretudo, a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter.”, Cláudio Abramo

Jornalismo é como se fosse um fio, que liga as pessoas ao mundo.”, Calebe Lamonier

A ética deve acompanhar sempre o jornalismo, como o zumbido acompanha o besouro.”, Gabriel García Márquez

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida.”, Oscar Wilde

 “Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.”, George Orwell

“O jornalismo moderno tem uma coisa a seu favor. Ao nos oferecer a opinião dos deseducados, ele mantém-nos em dia com a ignorância da comunidade.”, Oscar Wilde

 


EntreOlhares – Um Experimento de Conexão Humana em Curitiba

Imagine você caminhando por uma praça qualquer. Você e seu celular – seus olhos vidrados – num diálogo intenso: whatsapp, facebook, twitter, instagram, blog, notícias…

Por um momento, há gente sentada no meio do seu caminho, mas… sentada não em um banco qualquer… estão sentadas no chão, no pavimento, na grama, em almofadas e toalhas, em panos e dentro de círculos – de “bambolês”.

Então você se vê obrigado a se desconectar do celular e começa a prestar atenção no entorno. Nossa, quanta gente!, se pergunta. O que estão fazendo? Serão mais desses bichos-grilos que brotam das copas das árvores? Percebe que a grande maioria está em pares, se entreolhando; a maioria – apenas – se olham, sem palavras ditas. E, por um curto espaço de tempo (o que é o tempo?), se abraçam.

Se abraçam, assim do nada? Mas parecem ser estranhos, que não se conhecem! Pera aí, estarei delirando? Estou em Curitiba, a capital mais fria do país, também famosa pela frieza de seus nativos.

Você enxerga com mais propriedade agora, observa sorrisos sinceros, olhos emocionados – que coisa linda! E no passeio dessa sua peculiar visão… não é que você nota alguém olhando para você (oh, meu Deus, e agora?), num singelo gesto, emerge um cativo convite aquela conexão humana… e você se entrega.

Isso aconteceu ontem – talvez não comigo, talvez nem contigo, mas com todos. Foi a Conexão Humana em Curitiba, na Praça Santos Andrade, numa tarde de quinta-feira super agradável.

O praticante de Tai Chi e Kung Fu Jean Sirigate – um amigo e companheiro nessa trilha – resume o sentimento de todos: “Foi lindo demais! Tão simples, mas tão profundo! Os olhos são a janela da Alma. Gratidão, e no aguardo dos próximos!“.

Texto e Fotos by LL
Captura de Tela 2015-10-16 às 08.24.32 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.23.36 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.23.15 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.22.48

Captura de Tela 2015-10-16 às 08.43.30 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.42.53
——
Palavras do organizador – antes do evento: “Todos nós sabemos e sentimos o quanto a correria da vida nos desconecta uns dos outros. As tecnologias nos deixaram ulltra-conectados virtualmente mas muitas vezes falta aquela conexão que só pode ser sentida através da presença genuína de outro ser humano com a gente. Pensando nisso, eu, Chico Oliveira, decidi trazer para Curitiba o “ The World Biggest Eye Contact Event”, um evento mundial organizado pela The Liberators International. Nós queremos te convidar para espalhar não somente esse evento mas a ideia que está por trás dele que é a de conexão genuína entre seres humanos, afinal, ela faz um bem danado para o coração e pode começar uma verdadeira revolução. Esse evento faz parte de um movimento mundial. No mesmo dia milhares de pessoas no mundo estarão fazendo a mesma intervenção em cidades como: Nova York, Milão, Viena, Dhaka, Vancouver, Londres, Buenos Aires, Melbourne, Paris, Berlin, Dublin, Amsterdam, Guadalajara, Estocolmo, Madri, Geneva, São Paulo, Rio de Janeiro e muitas outras! Todas essas intervenções vão gerar um vídeo global que repercutirá pelas redes para lembrar o quando a conexão humana é importante para construirmos um mundo mais empático e compassivo.”
——
Como foi… placas na Praça Santos Andrade com os dizeres “Para onde foi a conexão humana? Compartilhe um minuto de contato olho no olho para descobrir” …  pessoas levaram cangas, tapetes de ioga, almofadas ou qualquer coisa que permitiria sentar e esperar um desconhecido chegar para compartilhar um minuto de contato visual; itens não eram obrigatórios, não precisaria ser levado nada. Ficar em pé fazendo contato visual com as pessoas também valia.
———–
Para conhecer melhor…
Organizador -> Chicooliveira: Máximo Potencial – www.maximopotencial.com.br
A Liberators International: http://www.theliberators.com.au/
Vídeo original da experiência em → http://on.fb.me/1QxT4mN 


A Praça do Tai Chi e Jardins Nativos com cultivo e aprendizagem

Hoje, 16 de setembro, em reunião in loco na Praça do Tai Chi, com 3 membros da equipe da SPVS – Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, que atuam em projetos de conservação em cidades – condomínio da biodiversidade – Betina, Felipe e Tise, demos o primeiro passo no sentido de incrementar a Praça do Tai Chi com um workshop sobre plantas nativas e o seu cultivo, bem como o plantio de caliandras brevites, jerivás, entre outras.

O espaço ficará um brinco e o Jardim Botânico que nos aguarde, pois a concorrência vem chegando (brincadeira). Enfim, esta iniciativa será levada a apreciação de autoridades da área para a obtenção da aprovação do projeto e, por consequência, sua execução pelos praticantes do Tai Chi Curitiba e amigos.

Iniciativa: Grupo Tai Chi Curitiba (Prof. Levis Litz) e SPVS.

Foto: caliandra brevites – uma das protagonistas a entrar em cena para embelezar a Praça do Tai Chi.

Captura de Tela 2015-09-16 às 22.58.18


Publicação gratuita sobre o Massacre dos Professores no dia 29 de abril de 2015 em Curitiba

Expresso a minha profunda gratidão aos inimigos da violência e da corrupção, em especial aos professores do Paraná que, com o seu exemplo inspirador, mantêm-se firmes e fortes, apesar das agruras sofridas no massacre do dia 29 de abril de 2015 em Curitiba. A eles dedico essa publicação“,
Levis Litz – Jornalista e Professor
Caixa Postal 17.336, Curitiba, PR, 80242-981

01

Paraná – O massacre dos professores – 29 de abril de 2015

Quem foi o maior responsável – o responsável número 1 – pelo massacre do dia 29 de Abril?

Antes que qualquer resposta desponte no horizonte, vamos entender o que é massacre.

“Massacre caracteriza-se especialmente porque as vítimas são indefesa antes que o ataque que são objeto, ou seja, não têm a possibilidade de defender-se. Em geral é perpetrada por uma pessoa. A principal característica é a desigualdade de condições entre agressor e vítima, desde que indicamos sempre o último em condições inferiores. Outra característica é que eles geralmente têm uma enorme carga de traição, crueldade e violência”.

Dados oficiais sobre o dia 29 de abril de 2015 em Curitiba – também publicados no jornal Gazeta do Povo:

“A operação policial que cercou a Assembleia Legislativa e ocasionou “a batalha do Centro Cívico”, custou R$ 948,3 mil aos cofres públicos. A conta leva em consideração as quantias gastas com munição não-letal e diárias dos policiais militares que participaram da operação.

Ao todo, os 2.516 policiais designados para a ação dispunham de 2.323 balas de borracha e 1.413 bombas de fumaça, gás lacrimogêneo e de efeito moral, além de 25 garrafas de spray de pimenta, para conter os manifestantes que se aglomeravam em frente à Assembleia Legislativa.

A munição era suficiente para disparar 20 balas de borracha por minuto. Também era possível arremessar 11 bombas no mesmo tempo. O conflito durou cerca de duas horas, na tarde do dia 29 de abril, e deixou mais de 200 feridos.”. Gazeta do Povo em 28/05/2015.

————————————–

Improbidade administrativa

“Na segunda (29), o MP-PR ajuizou uma ação civil pública nesta contra o governador Beto Richa (PSDB) por atos de improbidade administrativa por conta dos fatos ocorridos em 29 de abril. Além do governador, foram requeridos na ação pública o ex-secretário de Segurança Fernando Francischini, o ex-comandante da PM César Vinícius Kogut, o ex-subcomandante Nerino Mariano de Brito e o tenente-coronel Hudson Leôncio Teixeira – sendo estes dois últimos da Polícia Militar também.”, Gazeta do Povo em 03/07/2015.

————————————–

Essa foi a forma que este jornalista, livre, independente e apartidário (sem pertencer a qualquer partido político), junto com amigos professores, escolheram para compartilharem seu testemunhos para História do Paraná. Jamais esquecer tamanha atrocidade para que ela não se repita no futuro.

A publicação: “Paraná – O Massacre dos Professores – 29 de Abril”, de autoria de Levis Litz, é dirigida e gratuita. Você pode ler a publicação diretamente on-line ou fazer uma cópia (baixá-la) gratuitamente em http://www.youblisher.com/p/1190434-Parana-O-Massacre-dos-Professores/


A Poesia como manifestação do belo: antologia, 29 de abril – O verso da violência

A poesia – a manifestação do belo – mesmo diante da violência

Você que gosta de poesia, de repente estava à toa na vida e não percebeu o que aconteceu e pergunta: – Percebeu o quê?

Nós sussurramos : “Que o governo do Estado do Paraná agiu com violência contra os professores no dia 29 de abril de 2015, ora bolas!

E você, nesse curto diálogo, apreciador profundo das palavras, poderia ainda insistir: “E eu com isso? Sou amante da arte e não da violência!“.

Pois é, também somos… caro amigo… Nessa linha de tipos impressos e expressos, o que posso dizer? Se bons frutos emergiram daquela violência, então vamos apreciá-los e não é que uma obra se destacou… “antologia, 29 de abril – O verso da violência”.

Esse foi um esforço voluntário, sem intenções lucrativas, de um grupo de gente de bem. Doação de muitas horas de trabalho, de dedicação intensa, de demonstração de quem se importa com a arte e com a história.

O fruto assim surgiu, uma obra, um livro de 200 páginas, imagine só! Todo ilustrado, com fotografias interessantes. E ainda há mais… 80 poemas, 12 depoimentos, excelente projeto gráfico e muito, mas muito carinho envolvido no processo.

Louvável a ação de uma Editora independente que disponibiliza isso tudo por apenas R$ 15,00. Isso mesmo! Apenas quinze reais – valor de algumas passagens de ônibus em Curitiba – para um registro histórico de importância ímpar.

É claro que já garanti o meu exemplar – e olha que penso seriamente em dar de presente outros tantos.

Da minha parte – sou grato que pessoas assim ainda existam – doando sua força em prol de uma coletividade. Parabéns aos poetas, aos depoentes, aos fotógrafos, a Editora Patuá e toda a equipe envolvida.

O lançamento virtual aconteceu no facebook no último dia 4… -> em https://www.facebook.com/events/1474759149504984/ 

Entretanto, estou muito confiante, que isso foi apenas um tímido início de um promissor trabalho.

E viva a poesia! E viva a arte!

Levis Litz

Captura de Tela 2015-08-06 às 20.06.45


Porto Art Fest – Um Exposição Coletiva

169 obras, 169 autores: uma só Árvore no Museu Nacional do Porto

A Cooperativa Árvore leva até ao Museu Nacional Soares dos Reis 169 obras originais dos seus associados! Uma exposição Coletiva que vai na sua XXIX edição e que este ano integra a Porto Art Fest.

Até 20 de setembro o Museu Nacional de Soares dos Reis acolhe a XXIX Exposição Coletiva dos Sócios da Árvore que reúne um conjunto de 169 obras originais – pintura, escultura, fotografia, cerâmica, tapeçaria, desenho, obra gráfica, entre outras.

Esta iniciativa que a Cooperativa Árvore promove todos os anos junto dos seus associados, convida à participação de todos os sócios criadores em todas as formas de expressão, reunindo artistas com percursos consagrados, como Albuquerque Mendes, José Rodrigues e Jorge Pinheiro, novos valores e amadores, afirmando a importância e a vitalidade de um coletivo que participa com alegria e empenhamento, manifestando ainda a sua solidariedade e tolerância.

Esta exposição é também uma homenagem e uma memória de todos aqueles que já não estando presentes fisicamente, marcam presença através da dádiva do seu talento ou a inesquecível liberdade de participação e apoio que partilharam sempre com a instituição e o seu projeto.

Este ano integra o programa do Porto Art Fest, o projecto de colaboração entre as duas instituições, Museu Nacional de Soares dos Reis e Árvore, que oferece um programa diversificado de iniciativas artísticas e culturais à cidade.
_______________________

Dados sobre a exposição:

De: 30 de julho e até 20 de setembro
Horário de abertura: terça a domingo, 10h – 18h30
Local: Museu Nacional Soares dos Reis, Porto

Nº de artistas: 169
Nº de obras expostas: 169 obras originais
11807710_946075512097132_4028626292477701644_o