Acordeom Brasileiro

A acordeonista Marina Camargo faz show de lançamento, no Paço da Liberdade, em Curitiba, do primeiro livro que registra o panorama atual do acordeom no Brasil. Além de entrevistas, o livro reúne partituras dos mais importantes acordeonistas brasileiros do momento. 

Captura de Tela 2018-11-06 às 16.56.15

Foto: Divulgação

Ver registrado o trabalho de acordeonistas brasileiros, visando manter viva a memória da nossa música popular, foi o que motivou a acordeonista e professora, Marina Camargo a realizar este projeto. A ideia é antiga, mas para viabilizá-la precisava de recursos, a possibilidade veio a partir da aprovação do projeto via Lei Municipal de Incentivo à Cultura e de lá para cá foram dois anos de muita pesquisa.

Marina e o músico Marcelo Pereira colocaram o pé na estrada e percorreram o país passando por cidades no Nordeste, do Sudeste e do Sul atrás dos mais importantes acordeonistas-compositores da atualidade.

 O resultado desta andança são dois volumes: um com entrevistas com 14 instrumentistas e compositores de várias regiões do país, consequentemente com estéticas e histórias bem diversas, e outro com as partituras das principais obras desses artistas, tiradas de ouvido pela própria Marina, já que essa prática de escrever a partitura não é muito comum nesse universo. Um CD com a gravação destas músicas, interpretadas pela acordeonista, acompanha o material.

O show de lançamento, agendado para dia 10 de novembro, às 17h, no Sesc Paço da Liberdade, em Curitiba, inclui no repertório as mesmas 14 faixas do CD. Uma de cada músico entrevistado. São eles: Toninho Ferragutti, Renato Borghetti, Luciano Maia, Gabriel Levy, Alessandro “Bebê” Kramer, Beto Hortis, Adelson Viana, Edith de Camargo, João Pedro Teixeira, Lourdinha, Luiz Carlos Borges, Marcelo Caldi, Lulinha Alencar e Waldir Teixeira.


Serviço:

SHOW DE LANÇAMENTO DO LIVRO ACORDEOM BRASILEIRO
DE MARINA CAMARGO

Quando: 10 de Novembro (sábado)
Que Horas: 17h
Onde: Sesc Paço da Liberdade (Praça Generoso Marques, 189 – Centro/Curitiba-PR)
Quanto: Gratuito
Duração: 60 minutos
Classificação: Livre
Informações: 41 3234 4200


Motociclista & Mecânico – A arte da confiança

Um piloto doméstico de motocicleta, a meu exemplo, pode assim nem ser tão bom quanto um motovelocista profissional e, por isso mesmo, a exemplo desse profissional, ele tem que ter confiança em seu mecânico, pois é sua vida que estará em risco ao rodar pelas estradas afora e, sinceramente, buracos não faltam como desafios a serem superados. Haja equilíbrio!

Por muitos anos sempre fui atendido de forma séria, meticulosa e atenciosa, o que gerou uma boa confiança na relação piloto-mecânico.

Na minha trilha de vida há um mecânico que praticamente tem cuidado de praticamente todas as motocicletas que tive: uma XL-125 que viajou para a Patagônia, depois uma Neo para circular pelo centro de Curitiba, a seguir veio a XTZ-250 Lander / Motard, que me levou até a Praia de Garopaba em Santa Catarina e, finalmente, a Shadow-750, minha preciosidade.

Ricardo é o seu nome. Esse é o cara! Não tem ressalvas de meter a mão na graxa e ajudar você naquilo que é mais necessário e imprescindível para que seu “cavalo de aço” se lance a novos horizontes. E, como bônus, o custo é acessível.

Taí um cara tranquilo, não tem tempo ruim. Super recomendo. Para quem estiver em Curitiba e precisar de uma mãozinha, com um serviço bem feito de qualidade, já sabe: Ricardo – Whatsapp:  (41) 99731-6874.

IMG_8536

E para quem quiser ler sobre algumas viagens que fiz num passado nem tão distante assim indico meu livro “As Aventuras Peculiares de Um Motociclista”, disponível na Amazon ou pelo site Fotos e Rumos em www.fotoserumos.com


Duas rodas e cuturnos estrada afora!

Saiu recentemente uma menção sobre o meu livro “As Aventuras Peculiares de um Motociclista” no blog “Cuturneiros”, que divulga informações sobre viajantes de motocicletas. Legal, não é mesmo?

Criado em 21/11/2003, esse blog, tem por objetivo compartilhar experiências, imagens de lugares visitados e assuntos relacionados ao mototurismo.

O nome do grupo surgiu num churrasco após uma viagem a Cacequi – RS feita somente por estradas secundárias e sem asfalto. Quando nos indagamos sobre um nome para a turma a resposta veio a seguir: Cuturneiros. Levando em conta que, no princípio, somente andávamos por estradas sem pavimentação e com muitas pedras soltas, todos usavam coturnos para proteger os pés. Desde sua fundação, em agosto de 2002, o grupo não tem paradeiro certo, pois cada integrante mora em uma cidade diferente e o que nos mantém unidos é a vontade de aproveitar a vida em duas rodas, conhecendo novos lugares, novas pessoas e novas culturas.“, revela seus integrantes, Felipe, Julio, Sergio, Claiton e Charles.

Felipe me diz que: “Garimpando algumas obras do gênero pela internet, me deparei com o seu livro As Aventuras Peculiares de um Motociclista.“. Ele mesmo é autor do livro “Estrada Sem Fim – um diário dos primeiros 60.000 km de moto.”, edição de 2016, da Editora Saluz – o qual também já faz parte do meu acervo. Interessados podem entrar em contato com ele pelo e-mail
Contato: cuturneiros@yahoo.com.br – www.cuturneiros.com

Fotos
1. Felipe com o meu livro
2. Blog Cuturneiros
3. Eu com o livro do Felipe

Felipe passo fundo Captura de Tela 2018-10-26 às 11.15.32

Captura de Tela 2018-10-26 às 11.33.48


Do tamanho de um BOTÃO – Histórias sensíveis para gente miúda

Projeto contempla crianças da Educação Infantil, de seis meses até seis anos de idade, da rede municipal de ensino com sessões literárias.

Do Tamanho de um Botão – Histórias Sensíveis para Gente Miúda é um projeto da Malasartes – Educação Sensível que vem sendo apresentado nos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIS), pré-escolas, creches públicas e projetos sociais de atendimento à primeira infância, em Curitiba. O diferencial é que é voltado para crianças que ainda não foram alfabetizadas ou estão em processo de alfabetização.

_AAA1129 Foto Alison Martins
Fotos: Alison Martins

O objetivo é promover a leitura a partir de uma experiência delicada que sensibilize o olhar, a escuta, criando um ambiente que contribui para a troca afetiva com o imaginário da criança.

A proposta envolve também educadores, pais e a comunidade escolar em um amplo trabalho de sensibilização, a fim de estimular a formação de famílias leitoras.

Com um carrinho com bonecos de lã natural, feltrados à mão, os mediadores Adriane Havro e Luis Teixeira percorrem as salas levando, além de histórias, poesia e delicadezas. No repertório textos capazes de dirigir o olhar para aspectos minúsculos – “do tamanho de um botão” – da vida cotidiana, aqueles que passam despercebidos da visão apressada do adulto, mas que não escapam aos olhos atentos dos pequenos.

Serão ao todo, 120 apresentações interativas de narração de histórias realizadas até o final de outubro, nas instituições de ensino e até mesmo em algumas casas da comunidade. A iniciativa é da Malasartes – Educação Sensível.

As sessões são lúdicas, leves, recheadas de rimas, cantigas, onomatopeias e pequenas surpresas. O calor da voz se entrelaça com os gestos das mãos para se criar um ambiente muito acolhedor. Não se trata de um mero entretenimento, mas sim uma vivência literária que procura se adaptar ao ritmo das turmas e da própria instituição.

_AAA1424 Foto Alison Martins“Buscamos com essa proposta de atuação criar uma experiência sensível do olhar, da escuta, criando um ambiente que contribui para a troca afetiva com o imaginário da criança”, revela Adriane Havro, pedagoga, contadora de histórias e proponente do projeto. E acrescenta: “O contar histórias não substitui a leitura de um livro, o que de fato queremos é que as pessoas se sintam, a partir deste encontro, estimuladas a fazer novos contatos com o universo da literatura”.


O Portal “Fotos e Rumos” está em festa!

17 anos de existência!

Fotos e Rumos surgiu assim…

…da vontade de compartilhar histórias de viagens e fotografias.

Seu dia: 27 de julho – uma data, uma escolha, uma ideia, uma realização. Foi no ano 2000.

Rolou no Espaço de Eventos do Shopping Crystal em Curitiba. Foi lindo, foi bacana!

Apoio da InfoMatrix  (http://www.infomatrix.com.br) e seus funcionários altamente capacitados e muitos computadores de última geração.

O momento contou com a presença de amigos e colegas – fotógrafos, jornalistas, empresários, viajantes, mochileiros, artistas, músicos, cineastas… cerca de 200 pessoas – pequenos universos, com grandes valores – nos prestigiaram.

Houve muita integração e entretenimento. Teve vinho e acompanhamentos – brindes, canecas e camisetas… um “somzinho” legal tocou trilhas de filmes… e… entre taças e sorrisos… houve muitas fotos e muitos rumos… para muitos olhos…

Registro aqui a minha Gratidão!

Levis Litz
Fotos e Rumos
http://www.FotoseRumos.com

Curiosidade: a logo do Fotos foi inspirada numa fotografia que tirei de um filhote de lobo marinho em Cabo Polonio, Uruguai.


Jornalista – Testemunha ocular da história

Dia 7 de abril – Dia do Jornalista

Este profissional para muitos é testemunha ocular da história, para outros é um narrador do seu tempo. Parabéns pelo seu dia!

Porque o jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não sofreu essa servidão que se alimenta dos imprevistos da vida, não pode imaginá-la. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fora para sempre, mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar com mais ardor do que nunca no minuto seguinte.”Gabriel García Márquez

————————————————————–
jornalismo

substantivo masculino
  1. 1. 
    jor atividade profissional que visa coletar, investigar, analisar e transmitir periodicamente ao grande público, ou a segmentos dele, informações da atualidade, utilizando veículos de comunicação (jornal, revista, rádio, televisão etc.) para difundi-las.
    ———————————————————-

    O jornalismo é, antes de tudo e sobretudo, a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter.”, Cláudio Abramo

Jornalismo é como se fosse um fio, que liga as pessoas ao mundo.”, Calebe Lamonier

A ética deve acompanhar sempre o jornalismo, como o zumbido acompanha o besouro.”, Gabriel García Márquez

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida.”, Oscar Wilde

 “Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.”, George Orwell

“O jornalismo moderno tem uma coisa a seu favor. Ao nos oferecer a opinião dos deseducados, ele mantém-nos em dia com a ignorância da comunidade.”, Oscar Wilde

 


EntreOlhares – Um Experimento de Conexão Humana em Curitiba

Imagine você caminhando por uma praça qualquer. Você e seu celular – seus olhos vidrados – num diálogo intenso: whatsapp, facebook, twitter, instagram, blog, notícias…

Por um momento, há gente sentada no meio do seu caminho, mas… sentada não em um banco qualquer… estão sentadas no chão, no pavimento, na grama, em almofadas e toalhas, em panos e dentro de círculos – de “bambolês”.

Então você se vê obrigado a se desconectar do celular e começa a prestar atenção no entorno. Nossa, quanta gente!, se pergunta. O que estão fazendo? Serão mais desses bichos-grilos que brotam das copas das árvores? Percebe que a grande maioria está em pares, se entreolhando; a maioria – apenas – se olham, sem palavras ditas. E, por um curto espaço de tempo (o que é o tempo?), se abraçam.

Se abraçam, assim do nada? Mas parecem ser estranhos, que não se conhecem! Pera aí, estarei delirando? Estou em Curitiba, a capital mais fria do país, também famosa pela frieza de seus nativos.

Você enxerga com mais propriedade agora, observa sorrisos sinceros, olhos emocionados – que coisa linda! E no passeio dessa sua peculiar visão… não é que você nota alguém olhando para você (oh, meu Deus, e agora?), num singelo gesto, emerge um cativo convite aquela conexão humana… e você se entrega.

Isso aconteceu ontem – talvez não comigo, talvez nem contigo, mas com todos. Foi a Conexão Humana em Curitiba, na Praça Santos Andrade, numa tarde de quinta-feira super agradável.

O praticante de Tai Chi e Kung Fu Jean Sirigate – um amigo e companheiro nessa trilha – resume o sentimento de todos: “Foi lindo demais! Tão simples, mas tão profundo! Os olhos são a janela da Alma. Gratidão, e no aguardo dos próximos!“.

Texto e Fotos by LL
Captura de Tela 2015-10-16 às 08.24.32 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.23.36 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.23.15 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.22.48

Captura de Tela 2015-10-16 às 08.43.30 Captura de Tela 2015-10-16 às 08.42.53
——
Palavras do organizador – antes do evento: “Todos nós sabemos e sentimos o quanto a correria da vida nos desconecta uns dos outros. As tecnologias nos deixaram ulltra-conectados virtualmente mas muitas vezes falta aquela conexão que só pode ser sentida através da presença genuína de outro ser humano com a gente. Pensando nisso, eu, Chico Oliveira, decidi trazer para Curitiba o “ The World Biggest Eye Contact Event”, um evento mundial organizado pela The Liberators International. Nós queremos te convidar para espalhar não somente esse evento mas a ideia que está por trás dele que é a de conexão genuína entre seres humanos, afinal, ela faz um bem danado para o coração e pode começar uma verdadeira revolução. Esse evento faz parte de um movimento mundial. No mesmo dia milhares de pessoas no mundo estarão fazendo a mesma intervenção em cidades como: Nova York, Milão, Viena, Dhaka, Vancouver, Londres, Buenos Aires, Melbourne, Paris, Berlin, Dublin, Amsterdam, Guadalajara, Estocolmo, Madri, Geneva, São Paulo, Rio de Janeiro e muitas outras! Todas essas intervenções vão gerar um vídeo global que repercutirá pelas redes para lembrar o quando a conexão humana é importante para construirmos um mundo mais empático e compassivo.”
——
Como foi… placas na Praça Santos Andrade com os dizeres “Para onde foi a conexão humana? Compartilhe um minuto de contato olho no olho para descobrir” …  pessoas levaram cangas, tapetes de ioga, almofadas ou qualquer coisa que permitiria sentar e esperar um desconhecido chegar para compartilhar um minuto de contato visual; itens não eram obrigatórios, não precisaria ser levado nada. Ficar em pé fazendo contato visual com as pessoas também valia.
———–
Para conhecer melhor…
Organizador -> Chicooliveira: Máximo Potencial – www.maximopotencial.com.br
A Liberators International: http://www.theliberators.com.au/
Vídeo original da experiência em → http://on.fb.me/1QxT4mN