Duas rodas e cuturnos estrada afora!

Saiu recentemente uma menção sobre o meu livro “As Aventuras Peculiares de um Motociclista” no blog “Cuturneiros”, que divulga informações sobre viajantes de motocicletas. Legal, não é mesmo?

Criado em 21/11/2003, esse blog, tem por objetivo compartilhar experiências, imagens de lugares visitados e assuntos relacionados ao mototurismo.

O nome do grupo surgiu num churrasco após uma viagem a Cacequi – RS feita somente por estradas secundárias e sem asfalto. Quando nos indagamos sobre um nome para a turma a resposta veio a seguir: Cuturneiros. Levando em conta que, no princípio, somente andávamos por estradas sem pavimentação e com muitas pedras soltas, todos usavam coturnos para proteger os pés. Desde sua fundação, em agosto de 2002, o grupo não tem paradeiro certo, pois cada integrante mora em uma cidade diferente e o que nos mantém unidos é a vontade de aproveitar a vida em duas rodas, conhecendo novos lugares, novas pessoas e novas culturas.“, revela seus integrantes, Felipe, Julio, Sergio, Claiton e Charles.

Felipe me diz que: “Garimpando algumas obras do gênero pela internet, me deparei com o seu livro As Aventuras Peculiares de um Motociclista.“. Ele mesmo é autor do livro “Estrada Sem Fim – um diário dos primeiros 60.000 km de moto.”, edição de 2016, da Editora Saluz – o qual também já faz parte do meu acervo. Interessados podem entrar em contato com ele pelo e-mail
Contato: cuturneiros@yahoo.com.br – www.cuturneiros.com

Fotos
1. Felipe com o meu livro
2. Blog Cuturneiros
3. Eu com o livro do Felipe

Felipe passo fundo Captura de Tela 2018-10-26 às 11.15.32

Captura de Tela 2018-10-26 às 11.33.48


Do tamanho de um BOTÃO – Histórias sensíveis para gente miúda

Projeto contempla crianças da Educação Infantil, de seis meses até seis anos de idade, da rede municipal de ensino com sessões literárias.

Do Tamanho de um Botão – Histórias Sensíveis para Gente Miúda é um projeto da Malasartes – Educação Sensível que vem sendo apresentado nos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIS), pré-escolas, creches públicas e projetos sociais de atendimento à primeira infância, em Curitiba. O diferencial é que é voltado para crianças que ainda não foram alfabetizadas ou estão em processo de alfabetização.

_AAA1129 Foto Alison Martins
Fotos: Alison Martins

O objetivo é promover a leitura a partir de uma experiência delicada que sensibilize o olhar, a escuta, criando um ambiente que contribui para a troca afetiva com o imaginário da criança.

A proposta envolve também educadores, pais e a comunidade escolar em um amplo trabalho de sensibilização, a fim de estimular a formação de famílias leitoras.

Com um carrinho com bonecos de lã natural, feltrados à mão, os mediadores Adriane Havro e Luis Teixeira percorrem as salas levando, além de histórias, poesia e delicadezas. No repertório textos capazes de dirigir o olhar para aspectos minúsculos – “do tamanho de um botão” – da vida cotidiana, aqueles que passam despercebidos da visão apressada do adulto, mas que não escapam aos olhos atentos dos pequenos.

Serão ao todo, 120 apresentações interativas de narração de histórias realizadas até o final de outubro, nas instituições de ensino e até mesmo em algumas casas da comunidade. A iniciativa é da Malasartes – Educação Sensível.

As sessões são lúdicas, leves, recheadas de rimas, cantigas, onomatopeias e pequenas surpresas. O calor da voz se entrelaça com os gestos das mãos para se criar um ambiente muito acolhedor. Não se trata de um mero entretenimento, mas sim uma vivência literária que procura se adaptar ao ritmo das turmas e da própria instituição.

_AAA1424 Foto Alison Martins“Buscamos com essa proposta de atuação criar uma experiência sensível do olhar, da escuta, criando um ambiente que contribui para a troca afetiva com o imaginário da criança”, revela Adriane Havro, pedagoga, contadora de histórias e proponente do projeto. E acrescenta: “O contar histórias não substitui a leitura de um livro, o que de fato queremos é que as pessoas se sintam, a partir deste encontro, estimuladas a fazer novos contatos com o universo da literatura”.